Por tudo e por coisa nenhuma, a vida é diferente aqui. Muito diferente daquela que tinha. Pus-me a pensar no que estava eu a fazer há um ano atrás em Portugal, neste mês de Outubro…”Ui, vai dar uma grande volta!!!”

Nada! Vou contar é o que faço agora: vivo com a Sara, que há um ano nem conhecia, estou em Moçambique, que conhecia apenas no mapa, sou voluntária na ATACA, que só sabia existir através da Rosarinho (grande beijo para ti!).

Pensava que o máximo de “hormonas masculinas” em grupo que iria enfrentar era passado: infância e adolescência com os meus quatro irmãos. Pois bem, a vida dá muitas voltas…e os meus irmãos foram apenas o treino, que agora é que é.

Tinha já decidido que as minhas caminhadas iam ser nas ruas do Porto, sempre a subir e a descer. Agora, caminho entre outra gente, sempre plano…até ver!

Não troquei uma vida por outra, que esta é a minha vida ainda. Se calhar, optei por um caminho diferente, aquele que há muito me chamava…ou era eu que o chamava?

E agora que sabem tudo da minha vida, era uma vez, era uma vez…começam assim as histórias que contam os meninos aqui. Descobri que há muitas histórias do macaco e do coelho e, contrariamente ao que esperava, o coelho é sempre o espertinho da história!

Interessantes também são os nomes destas duas voluntárias cá: uma é coelho, outra é leão. Se soubessem como se riram…porquê? Difícil explicar, quando estes rapazes se riem, muitas vezes não consigo ainda entender. Segundo expressão corrente cá, acho que ainda não estou totalmente globalizada, ainda tenho muito a aprender.

Então: era uma vez, era uma vez um coelho, um leão, uma viagem e uma casa de meninos. Não resisto e vai mesmo ser assim, os nomes são: Chico, Nando, Quinho; Inô, Igor, Inácio, Pedrito, Paíto, Maiquel, Latifo, João, Melo, Mussa, Isac, Josoé, Félix, Filipe, Silvino, Emílio, Belito, Dani, Danilo, Abel, Atanásio, Lito, Admiro, Maninho, Tito, Juma, Assamo, Marito, José…acho que consigo lembrar-me de todos os nomes! Ena!

O coelho e o leão (ambos espertinhos nesta história) resolveram então um dia viajar e passar uma temporada com estes meninos. Descobriram que a viagem começa antes de viajar e nunca termina, mesmo quando se julga ter chegado.

Descobriram também que crianças são crianças em qualquer lugar do mundo (se calhar esta parte já deviam saber mas têm pouca prática), que choram e riem, que inventam a cada instante o que fazer e dizer…às vezes bem, outras bem mal!

O coelho sabe agora que é cor de laranja e o leão que é branco, que o vento é companhia constante em Quelimane, que arranjar peixe é uma tarefa muito complicada, que o trabalho não acaba quando se trata de tentar ajudar.

Desenganem-se os amigos destes animaizinhos: aqui trabalha-se muito e a vida não é uma diversão só – lá porque o coelho fala sempre da melhor parte, há sempre o outro lado, que escrevemos em relatório e não, não vamos repetir aqui.

E assim sendo: começamos com os nossos meninos o dia e com eles vamos dormir.

E deles falamos: hoje começamos pelos mais pequeninos: Chico e Nando. Como são os mais pequenos, não vão à escola ainda e são a nossa companhia regular e também os nossos doces de coco, admitimos! Andam sempre juntos e têm conversas que às vezes não conseguimos desvendar. E como falam!

Pequeno parênteses aqui: se me repetir a falar destes miúdos, paciência!

O Chico faz birra quando acorda, birra para tomar banho, birra quando tem sono…tirando isso, é do melhor que há, dorme em qualquer situação (missa, chapa…) e anima o dia de qualquer um (foi ele que deu as cores às tias!)

O Nando nunca faz birra a não ser que se metam com a comida dele…esse departamento é sagrado! Infelizmente deslocou o braço esta semana numa brincadeira de subir árvores (coisa que não é possível evitar que façam) e agora, quando lhe pergunto se está bem, responde sempre: “Não dói, tia.” É o maior! Há um ano estava eu assim, com gesso no braço…e olhem que me doía!

Ambos fazem muitos desenhos e são os pequeninos da casa, por isso os mais “mimados” por todos. Adoram histórias para dormir, o Nando morre de cócegas e o Chico dança marrabenta que só visto, mesmo.

E pronto, hoje falo só destes dois, para a próxima há mais.

Como me alongo sempre em palermices, não há hoje actualização de preços. Deixo apenas um pedido: tratem lá da crise financeira na Europa que o euro só desvaloriza por cá!

Beijos e abraços a todos e sim, obrigada pelos comentários!!! Fiquei mesmo feliz…

Paula Coelho

5 Responses to Por tudo e por coisa nenhuma
  1. ó Tia… assim não dá para escrever comentários aparvalhados!!
    Hoje finalmente vim espreitar o "teu" blog e, pô, deixaste-me c'a lágrima no canto do olho!!
    .. e com inveja de ti, carago!!
    'Tou com inveja da tua coragem na partida para Moçambique, da tua coragem em estar longe de todos nós que te queremos tanto e tão bem e, claro, com inveja dos teus menínos que têm a sorte de te ter com eles!
    É difícil olharmos para o nosso passado e não vermos lá a Pandérica… afinal, tu também "és" o nosso passado, estiveste lá desde o 1.º dia em 1994 e ainda te vais mantendo por "cá", nem que seja em recordações.
    E, agora, também vais fazer parte da vida de todos esses meninos!!Não te esqueças de ir partilhando tudinho connosco. Torna mais fácil sentir-te aqui ao nosso lado.
    Beijos Grandes

  2. Olá tia Pauleta! Não imaginas como cada vez mais adoro a tua ideia de ir falando dos meninos…assim fica mais fácil saber as novidades e ajuda a matar as saudádes 🙂 Beijinhos muito grandes e aproveitem muito Moçambique, porque se Portugal já não parecia lá grande coisa, depois de estar em Moçambique a coisa só piora…xau xau

  3. Adoro a tua forma de escrever rapariga!
    Esses meninos devem ser adoráveis. Fico à espera de descrições de TODOS os outros ;).

    Beijinhos e vai escrevendo que eu vou lendo 🙂

  4. Grande Paula, que saudades!!! Sempre a escrever com o humor e graça que te são caracteristicos. Adorei saber noticias tuas. Há que seculos que estou para vir aqui ver como estão as duas e hoje pensei "de hoje não passa!!!" Que se lixe a escola, os relatórios, o mestrado, os objectivos individuais que não me largam e mais esta gripe que esta a dar cabo de mim. Enquanto eative ai não houve virus ou mosquito que me pegasse, chego aqui e é esta miséria. Pois é, a vida saudável está aí. E sorte tem esses miudos que vos tem aí durante 1 ano, a mimar e a tratar deles.Ou não fosses tu a Paula Coelho, que num dia está no Porto, no outro vais para Moçambique durante um ano. Sabes que te digo? pessoas como vocês são cidadãs do mundo, não pertencem a lado nenhum. Gostei de saber noticias vossas, e agora vou tentar ser mais assidua a este blog. Um beijinho muito grande para as duas e espero que se DIVIRTAM. Fiquem bem.
    ps: Eu não me esqueci do livro, mas não estive com as duas ultimas viajantes. Mas vou mandar pelo Big Boss quando fôr,a não ser que ele me mande passear. Mas eu mando. Beijos gordos.

  5. Cor de laranja? Que engraçado, quando cheguei a Portugal a minha irmã também me disse que estava cor de laranja! Tenho a certeza que não foi por comermos demasiada cenoura… Vês, eu prometi, estou a enviar-te comentários! Já não podes reclamar! Quando me disseram que o Nando tinha deslocado o braço disse logo que de certeza que tinha sido a trepar às árvores! Que saudades desses traquinas!
    Óptima ideia essa tua de ir falando dos meninos no blog, assim não tenho de te chatear a perguntar como estão! Boa Paula!
    Vai dando notícias… pois, que remédio!
    Beijo grande


[top]

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.