São horas de me levantar, para às 7 estar pronta a sair de casa e ir para Sangariveira, visitar as minha crianças e mamãs.
É uma boa hora para sair de casa, pois apesar de o sol já estar bem alto, ainda corre uma brisa fresquinha
Lá chegar não é de todo tarefa fácil. Fisicamente é duro, pois apesar do calor que se vai sentindo com o passar das horas e da distância que tenho que percorrer, a bicicleta também nem sempre ajuda. Ou foi o travão que se partiu, ou o pneu que entretanto esvaziou, ou mesmo furou, a corrente que saltou, etc, etc, etc. Nada que não se resolva.
Como se pode imaginar, nem sempre quando acordo, consigo olhar para o panorama que me espera da melhor forma.Tudo depende da disposição com que acordo. Mas por muito que esteja em dia não, não há volta a dar. É esse o meu propósito, é por isso que cá estou. Existem pessoas que contam comigo, eu conto com elas.
A verdade, é que sempre que acordo em dia não, pois todos nós os temos, mal chego ao meu destino, tudo muda e para muito melhor!
Só gostava de ser capaz de descrever aquele lugar. Nem toda a pobreza que lá existe, consegue fazer daquele lugar, um lugar indesejável.
É um verdadeiro labirinto, acho que por muito tempo que cá estivesse, nunca iria ser capaz de o percorrer sozinha.
Para além da paisagem ser linda de morrer, diferente de tudo o resto que já vi, o ambiente que lá se encontra, as boas energias que nos são transmitidas, tudo é único e vital para o meu bem-estar.
As pessoas são especiais. Até podem não ter uma esteira para dormir, até podem não ter comido desde o dia anterior, mas têm uma energia e uma alegria de viver, que não deixa ninguém indiferente.
A música que vou ouvindo por todo o bairro, funciona como um estímulo para todo o corpo que se vai passeando ao longo dos caminhos. Toda a gente canta, toda a gente dança, desde o menino de 3 anos, ao mais graúdo.  
Tudo isto para dizer, que é impossível eu não regressar a casa com o coração cheio. É impossível eu não pensar para mim mesma; eu por esta gente e pelas crianças que todos os dias me esperam na Casa Esperança, eu aguento tudo!
Até mangwana.
Raquel Cruz
7 Responses to São 6:15 da manhã, toca o despertador.
  1. Força equipa!
    É esse coração cheio que faz cada dia valer a pena:)
    Beijinhooossss,
    Ângela

  2. Força aí meninas! Energia positiva sempre =)

  3. As energias positivas que aí se vivem e que nos fortalecem durante a nossa missão são sem dúvida enormes e tão simples!!!
    Muita força Raquel, Luísa e Micaela!!!

    Beijinho grande,
    Francisca

  4. Ráááááquel, como dizem as mamãs 😀

    Ler-te faz aumentar mais a saudade!!!! 😀

    Estamos juntas, sempre!!!

    Isabel Fernandes

  5. O voluntariado nem sempre é fácil, mas compensa sempre!
    Força equipa!
    Beijos
    Luís

  6. Força aí Raquel, Micaela e Luísa! Os vossos blogues e trabalho são o que nos aguenta cá!

    beijinho

    João

  7. Olá querida Raquel,

    É tão bom quando sentimos uma energia tão boa, tão positiva, a envolver os outros, não é?! É contagiante – faz-nos bem à alma!

    Se cada um de nós sentisse, pelo menos uma vez na vida, o prazer genuíno que se sente quando se vê o outro sorrir… nunca mais seria capaz de deixar de experimentar essa sensação 🙂

    Vocês contagiam-nos com as vossas palavras, alimentam a nossa alma e fazem-nos ter vontade de continuar por aqui a apoiar-vos.

    Bem hajam por isso.

    Tudo de bom!

    Muitos jinhos para ti, para a Micaela e para a Luísa, para o Evaristo e o Melo, para as crianças da CE e para a irmã Idalina das

    Sisters, conhecidas por aí como as tias Tita e Mena 🙂


[top]

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.