No passado mês de Maio viajámos cerca de 400km para Norte de Moçambique até Milevane, onde a terra é de cor vermelha, onde o sol se põe entre as montanhas, onde o céu é puramente limpo e nos proporciona um luar brilhante recheado de estrelas. A energia é escassa, o que nos obriga a deitar cedo e acordar com o nascer do sol, ao som do chilrear dos passarinhos…

Em Milevane encontra-se um dos projetos que a ATACA apoia. Hoje, mais do que escrever sobre a nossa magnífica experiência pessoal, importa-nos apresentar um pouco o projeto e a sua importância ao nível Local e Nacional.
A Escola Família Agrícola de Milevane (EFAM) tem a sua sede em Milevane, localidade de Nauela, distrito de Alto Molocué, província da Zambézia.

 

A Escola é propriedade da Congregação das Irmãs do Amor de Deus, Instituição Religiosa Católica, com personalidade jurídica, plena capacidade e autonomia, reconhecida pela legislação vigente em Moçambique. A EFAM é uma Escola Básica de Ensino Profissional do ramo Agro-Pecuário.
A Direção da Escola fica exclusivamente a cargo das Irmãs do Amor de Deus, competindo-lhes também a orientação pedagógica e administrativa ordinária de forma inteiramente autónoma.
 
Origem da Escola 
A Escola Família Agrícola de Milevane foi fundada no ano de 1996 e reconhecida pelo Estado de Moçambique em 2003. Inicialmente abriu com o curso Educação Alternativa. Emergiu do nível elementar técnico-profissional e leciona atualmente o nível Básico do Currículo Técnico-Profissional Agro-Pecuário.
Esta Escola representa o processo educativo da Igreja Católica de Milevane que é concretizado pelas Irmãs do Amor de Deus, na localidade de Nauela desde 1951.
De 1951 a 1975 esta congregação apoiava o Ensino Geral de Nauela e o Hospital da localidade. No ano da independência, deslocaram-se para Nalapa devido aos conflitos políticos entre a FRELIMO e a RENAMO e regressaram no ano de Assinatura do Acordo Geral de Paz de Moçambique. Assim, desde 1992 que a Igreja Católica aposta na região de Milevane, não apenas numa lógica religiosa, mas também promovendo o desenvolvimento socioeconómico local.
 
Objetivos da Escola
 
Os objetivos das Irmãs enquadram-se no Programa Nacional de Educação do Ensino Técnico-Profissional. A finalidade de lecionar este curso na EFAM foi dar noções elementares de agricultura e pecuária aos jovens, para promover a sua inserção no mercado de trabalho e fomentar o desenvolvimento pessoal e social destes alunos, permitindo que se integrem e combatam a pobreza na sua comunidade.
Esta Escola pretende ser um impulso profundo no progresso de Moçambique. Sendo um país rico em recursos naturais e minerais, é fulcral combater o empobrecimento do solo para a prática da agricultura e fomentar a empregabilidade nesta área.
A atividade agro-pecuária é uma das mais importantes para o desenvolvimento social e económico da região de Nauela. Assim, fundamentando-se no princípio de que o desenvolvimento provém da Educação, a EFAM promove a atividade agrícola e pecuária, incorporando estratégias e acções que visem o alívio da pobreza da região e a promoção do crescimento socioeconómico de forma sustentável.
O curso de Agro-pecuária
 
O curso que desde 2010 é leccionado na EFAM é o Curso Agro-pecuário, do Ensino Básico Técnico-profissional.
 
 

A Escola acolhe alunos em regime de internato e externos a partir dos 15 anos, que tenham concluído a 7ª Classe, tendo atualmente lotação para 300 alunos. As Irmãs dão prioridade às inscrições dos filhos de agricultores da área de Nauela e a jovens que por quaisquer motivos não tenham possibilidade de se integrar noutra Escola.

O curso Agro-Pecuário tem a duração de três anos. Os alunos recebem, durante esse período, o Programa integral do Ensino Profissional Básico, sendo o currículo do 1º e 2º anos, composto pelas disciplinas do ensino geral e o do 3º inclui disciplinas técnicas do ramo agro-pecuário.
 
A componente prática do curso foca-se na produção de várias culturas (milho, amendoim, arroz, quiabo, batata-doce, mandioca, moringa, girassol, limões, ateiras, cana doce, toranjas, pêra abacate, bananas, papaias, entre outros) e no tratamento de diversos animais, nomeadamente cabras (para fornecimento de leite, carne e queijo), galinhas (carne e ovos), coelhos, porcos e peixes. Toda esta aprendizagem serve, ao mesmo tempo, para melhorar e diversificar a sua alimentação.

No final do Curso, os alunos terão equivalência à 10ª classe, o que lhes permite ingressar posteriormente no Ensino Geral se pretenderem concluir a 12ª classe e no Ensino Médio e/ou Superior.

No ano letivo anterior a EFAM adoptou o “Curso de Adaptação”, que não é mais do que um “ano zero” em que os jovens têm oportunidade de aprender a ler e escrever (pois como sabemos há muitas crianças com a 7ª classe que são analfabetas) e, no fim de completarem este ano, se estiverem aptos podem inscrever-se no Curso propriamente dito.
Uma vez que a EFAM se situa a cerca de 10km do Posto Administrativo de Nauela e os acessos são longos e difíceis, a Escola acolhe cerca de 200 crianças que estão em regime de internato. Fazem parte do Lar de Acolhimento todas as crianças que vivam a uma distância consideravelmente longa e todas as crianças que apresentem uma condição socioeconómica mais desfavorecida. É da competência da Direção do Lar, fazer esta avaliação de acordo com os requisitos da Instituição.
 Os jovens em regime de internato são responsáveis por todas as tarefas e atividades necessárias à manutenção sustentável da EFAM, nomeadamente, limpeza e organização dos dormitórios; limpeza das salas de aulas, refeitório e material agrícola; preparação das refeições; manutenção da machamba; tratamento dos animais; entre outras. Estes jovens acordam por volta das 4h30 e cumprem as atividades em grupos de trabalho que são calendarizadas anualmente. Por outro lado, têm horário de estudo obrigatório de forma a criarem hábitos de estudo.
A EFAM é uma Escola que aposta no Ensino de forma rigorosa e exigente, para tornar aqueles jovens futuros profissionais responsáveis.
 
Alguns dados:
O ano 2015 iniciou com o total de 187 alunos, contra 163 do ano anterior. Dos 187 inscritos, 116 são do 1º ano, 56 do 2º e 15 do 3º. A estes alunos juntam-se 33 do terceiro ano que pertencem ao antigo calendário escolar do Ensino Profissional. Este aumento revela um sinal positivo de crescimento da EFAM e aderência ao Ensino Técnico e Profissional. Neste ano letivo, a Escola dispõe de 9 professores e 10 funcionários não docentes. Dos 9 professores, 6 são Irmãs. Dessas, 3 são membros da Direção da Escola (Relatório de Atividades da EFAM do ano letivo 2014 e 2015).

Érica Rei e Marta Monteiro

Missão Hope – 2015

Foi bom rever-vos e ler as vossas mensagens de chegada. Hoje vai partir o segundo grupo já com o alento das vossas notícias e com o desejo de constatar os vossos relatos. Nós mantemos o desejo da vossa satisfação e o exito do vosso trabalho que … também será o nosso.Um abraço para todos. Durana

Depois de uma viagem relativamente sossegada finalmente chegamos à terra prometida. Já no meu terceiro dia aqui posso afirmar tudo o que nos foi dito quanto à simpatia dos moçambicanos se tem mostrado verdadeiro. Lentamente os olhares curiosos das pessoas que nos vêem na rua se transformam em sorrisos genuinos e “bons dias” alegres. O […]

Olá a todos! Como estão as coisas por ai? Nós por cá estamos muito bem! A viagem correu lindamente, um bom soninho fê-la passar rapidinho! Fomos muito bem recebidos com a simpatia de todos. É bom poder aqui estar e começar a pôr mãos ao trabalho com direito a “mata bichar” pelo meio! É extraordinário […]

Olá a todos!!!Cá estamos nós no Maputo, finalmente…Antes de mais, quero dar os meus parabéns à ataca, pois dia 1 de Agosto fez um ano.Como sabem, nós as raparigas, estamos instaladas em casa do Amílcar e restante família o que para nós tem sido bastante vantajoso, como devem imaginar.Maputo é sem dúvida como imaginava e […]

Saída de casa às 6h de 31 de Julho de 2007. Partida na Junta no Maputo às 7h20. Mário dava pancada aos vendedores que entravam no machibombo. Alguém mais queria entrar e viajar connosco, mas sem bilhete. Eis que Mário “Maning Big”, o pôs a andar. Mesmo à saída, mais uma explosão que se ouve […]

Cheguei a Maputo! Finalmente acabou o tempo de espera, os preparativos, o desejo de estar bem longe de Portugal e de fazer o trabalho que adoro…Já pude trabalhar ontem, depois de conhecer as instalações de algumas das obras do padre Jorge. Estamos muito bem hospedados no centro de dia e as raparigas em casa do […]